Por uma cultura do acolhimento

O papa Francisco já se pronunciou inúmeras vezes sobre a questão do aborto e a dignidade da vida humana desde a sua concepção. Recorto, aqui, alguns trechos importantes da Exortação Apostólica Amoris Laetitia,  que podem nos ajudar a discernir melhor e mais profundamente sobre o sentido de se defender o valor da vida e a dignidade de todas as pessoas, desde o ventre materno. Desejo que também nos ajudem a viver e promover uma ética do acolhimento, do cuidado e do amor para com todos, sem distinção. Boa leitura!

“É tão grande o valor de uma vida humana e inalienável o direito à vida do bebê inocente que cresce no ventre de sua mãe, que de modo nenhum se pode afirmar como um direito sobre o próprio corpo a possibilidade de tomar decisões sobre esta vida que é fim em si mesma e nunca poderá ser objeto de domínio de outro ser humano.” (AL 83)

Continue lendo “Por uma cultura do acolhimento”

“Grávida outra vez??” As perguntas mais frequentes sobre a minha maternidade

Para além dos comentários, que sempre ouvimos, sobre nossa escolha de ter tantos filhos quanto pudermos (por exemplo: “Nossa! Que coragem!”, “Vocês levam mesmo a sério a Bíblia, hein!”, “Que loucura! Ter tantos filhos nos dias de hoje…” etc), existem várias perguntas que as pessoas me fazem sobre a minha maternidade, algumas mais, outras menos discretas. Resolvi escrever aqui algumas delas e compartilhar minhas respostas com quem possa se interessar:

1. São todos seus? / São todos irmãos? / “É tudo” do mesmo pai?

Sim! Sim! Sim! Na verdade, não somente meus… são nossos! São o grande DOM do nosso matrimônio. São frutos do nosso amor! Geramos juntos, no Amor, e criamos juntos, graças a Deus! Compartilhamos a vida, as responsabilidades, o cuidado, a educação e a alegria por tê-los em nossas vidas. O amor compartilhado se multiplica! E essa é a alegria do amor: transbordar para além de si e gerar vida e fraternidade!

2. Foram todos planejados? / Vocês queriam tantos filhos? / Seu marido também queria?

Nós escolhemos estar abertos à vida e acolher quantos filhos Deus quiser nos confiar. Aliás, prometemos isso publicamente, no altar. Antes de casar, tínhamos 4 nomes já escolhidos. Depois, escolhemos mais dois, e depois outro ainda. E eles foram vindo! E foi sempre uma grande alegria para nós, mesmo em meio ao cansaço e às preocupações, cada gestação e cada nascimento foi celebrado, na certeza da Vontade de Deus se realizando em nossa família. O nosso planejamento não é o número ou o espaçamento entre os filhos, mas a abertura e o acolhimento deles. Quando eu estava grávida do primeiro, sempre dizia – em tom de brincadeira, mas com grande desejo – que aquele era “o primeiro de uma multidão de irmãos”! E parece que esse era também o desejo de Deus.

Continue lendo ““Grávida outra vez??” As perguntas mais frequentes sobre a minha maternidade”

Maternidade Real

Nunca tive uma ideia muito romântica acerca da maternidade. Desde pequena, como tantas meninas, eu sonhava em ser mãe, mas intuía que a maternidade tinha sabor de sacrifício. O amor da minha mãe por mim, certamente, era uma inspiração: amor intenso e forte, na fragilidade da condição humana de uma mulher sem marido, e que, corajosamente, abriu mão da carreira profissional para se entregar à experiência da maternidade, amando a sua filha com todas as suas forças existenciais. Ela conta que o sonho da vida dela era esse: ter alguém para amar sem medidas. Ao cuidar de mim e me educar, ela também crescia e se humanizava, até se tornar uma gigante na arte do sacrifício da vida cotidiana.

No meio desse caminho, ela encontrou um grande amor, aliás, encontrou o próprio Amor, e se descobriu amada incondicionalmente por Ele. Isso mudou tudo. Deu um novo sentido à sua história e à sua maternidade. A fez entender que o amor materno é um grande DOM que brota da fonte do Amor, aquele Amor que é fonte de todo amor verdadeiro. Ela entendeu que o amor nos é possível porque Ele nos amou primeiro. E passou a me educar nessa experiência de fé e confiança no Amor, que nos amou até às últimas consequências. Certa vez, ela me confessou que, embora me amasse tanto, o amor dela era limitado e imperfeito – como todo amor humano – e que só Deus me amava em plenitude. Eu, que era ainda criança, fiquei chocada com esse anúncio. Mas foi um anúncio libertador, uma boa nova que ainda hoje me ajuda a ordenar a vida.

Continue lendo “Maternidade Real”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: